Av. Marechal Fiuza de Castro, 861, Butantã - São Paulo (11) 3735-0461 / (11) 95166-9554
Artigos › 25/02/2021

Em um relacionamento sério consigo mesma: o caminho da felicidade a dois

Eu gosto de acompanhar aconselhamentos amorosos, seja no Youtube ou outros canais, e algo que é evidente é que a maioria que busca aconselhamento amoroso é composta por mulheres. Geralmente querem encontrar saídas para os problemas de relacionamento que envolvem:

– “Ele me deixou”

– “Ele tem outra”

– “Ele sumiu”

– “Ele não me leva a sério”

– “Ele me procura e some”

– “Ele vai voltar?”

Geralmente o tema é “ele”. Elas não querem ouvir sobre crescimento pessoal, sobre temas relevantes na atualidade, sobre meios de alcançar estabilidade financeira ou autossuficiência, porque o parceiro é o centro da vida destas mulheres.

Claro que isso não se aplica a todas, mas, pode-se estimar por alto que 90% daquelas que buscam tais aconselhamentos só querem saber do parceiro, se ele volta, se ele as ama, se ele vai ficar com elas para sempre.

Isso releva um traço profundo que é quase exclusivamente feminino. Lord Byron, em seu poema Don Juan, já dizia:

“O amor do homem é da vida deste, uma coisa à parte, mas, da mulher é toda a existência; o homem pode percorrer a corte, a guerra, a igreja, o navio e o mercado; a espada, a toga, os ganhos, a glória, o orgulho, a fama e a ambição, para encher seu coração, e poucos há que tudo isso não alcancem; os homens têm todos esses recursos, nós, apenas um: amar novamente, e ser novamente arruinadas.”

Existe uma razão biológica para isso. Os homens são mais levados pela química quando se trata de relacionamentos, tendo rapidamente um encantamento que costuma ser mais fulminante, mas que dura pouco. Já as mulheres têm a sua paixão baseada no psicológico, que embora demore a se manifestar em comparação com a paixão masculina, esta permanece por mais tempo.

No entanto, desde Lord Byron até os dias atuais, muita coisa mudou, a cultura mudou, a família mudou, os papéis sociais mudaram e as mulheres não só podem, como devem cultivar interesses além da centralidade de seus homens em suas vidas, mesmo porque a modernidade trouxe também a instabilidade dos relacionamentos amorosos. E além desta, existem diversas outras razões para as mulheres buscarem primeiro um relacionamento consigo mesmas, desenvolver autoestima, autoconfiança e serem capazes de cuidar de si antes de buscarem um parceiro. Trago algumas aqui.

1 Ter uma vida

A expressão em inglês é mais interessante que em português, infelizmente. É muito comum, em resposta a alguém que vive em função de outros ou por coisas banais e sem sentido, dizer-se em inglês: Get a life! Ou seja, vai ter uma vida, vai conquistar algo e por extensão: vá cuidar de si mesmo.

Vejo muitas mulheres tanto na internet, como falei no início, quanto ao meu redor, cujas vidas são centradas nos seus parceiros ou em conseguir um. Cada um sabe de si, mas meu conselho, se posso me atrever a tal é: get a life! O seu parceiro é importante? Sim, sem dúvida. Deve fazer parte de suas preocupações diárias? Com certeza. Merece sua devoção? Claro! Mas, primeiro tenha a sua própria vida! Ame-se e conscientize-se de seu valor.

Tenha uma relação de amor consigo mesma, antes de mais nada!

2 Isso é muito atraente

Ter uma vida própria, ter interesses que vão além do seu marido, namorado ou o parceiro ainda por chegar, pode ser o que vai torná-la mais atraente do que você imagina. Segundo o conselheiro/monitor de relacionamentos Ítalo Ventura, ser protagonista da própria história é mais atraente que qualquer roupa sexy, maquiagem, corpo perfeito, etc. Nas palavras dele, o homem não é a pessoa mais importante da sua vida, ele é o complemento da sua vida. A pessoa mais importante da sua vida é você mesma. As mulheres que têm um propósito na vida e se focam nele, quer seja uma carreira acadêmica, um curso no exterior, uma promoção no trabalho, tornam-se infinitamente mais atraentes que aquelas que não têm, ele afirma.

3 Torna você um bom ímpar

Nas minhas pesquisas pelos temas que as mulheres mais buscam no Youtube, cheguei até mesmo a uma cartomante e aí fui vendo outras e outras – é incrível como este tema é constante entre as cartomantes! Uma delas, em especial me chamou a atenção, ela tentava dar às consulentes uma nova visão de si mesmas e da necessidade de buscar outros interesses na vida além do parceiro. E uma frase dela achei bastante marcante: quando você cuida de si mesma, busca ser melhor, você se torna um bom ímpar e atrai um bom par.

4 Faz bem à saúde mental

psicóloga Nayara Calaça, do Grupo América e Sistema Hapvida, afirma que a mulher que se ama, que se valoriza e se empodera, consegue driblar os próprios mecanismos sabotadores assumindo (e amando) quem ela realmente é e não se cobra ser uma “mulher maravilha”. Ela sabe que erra e quando isso acontece, ela não fica se martirizando. Aprende, faz uma nova escolha e segue em frente, sem tentar agradar e ser aceita por todos. Conhece suas qualidades e defeitos, seus limites e desejos. Não precisa se comparar, competir ou provar algo para ser aceita.

Quando uma mulher torna-se o centro de sua própria vida, ama-se e busca realizar seus planos, sonhos e desejos, está então pronta para compartilhar esse mundo com outros (parceiro, família), sem buscar muletas emocionais ou quem vá sustentá-la. Seja plena, sua saúde mental e seus relacionamentos agradecerão.

Fonte: Familia.com.br